SOCIEDADE DOS VIAJANTES DE MOTO

SVM RIDERS CHALLENGE – IRON BUTT 2022

Não é sobre chegar no topo do mundo e saber que venceu.

É sobre escalar e sentir que o caminho te fortaleceu.” - Trem Bala, Ana Vilela.

REGULAMENTO

  CAPÍTULO I – INTRODUÇÃO

 1. HISTÓRICO

 a. A Iron Butt Association (IBA) é uma organização internacional, sediada nos EUA, que é dedicada a inspirar e certificar a realização de VIAGENS DE MOTO DE LONGAS DISTÂNCIAS, elencadas em sua lista de provas ou desafios, que são escolhidas e realizadas individualmente por motociclistas viajantes de moto, em todo o mundo.

 b. A IBA conta com mais de 79.000 membros, que se autodenominam como “OS MAIS TENAZES MOTOCICLISTAS DO MUNDO”, sendo um dos seus slogans mais populares a expressão "O MUNDO É O NOSSO PLAYGROUND", conforme consta em seu endereço eletrônico www.ironbutt.org.

 c. Por realizarem essas provas, anualmente, desde 2016, como uma celebração a liberdade de viajar de moto, um grupo de amigos motociclistas integrantes das comunidades da Sociedade dos Viajantes de Moto e da Mile Eater Fraternity da IBA combinaram realizar as suas provas, em um MESMO PERÍODO e em um MESMO CIRCUITO RODOVIÁRIO, a fim de CONFRATERNIZAR durante os abastecimentos e terem mais SEGURANÇA na estrada, devido a possibilidade de apoio mútuo, como é costume no motociclismo. Anualmente, novos motociclistas que não querem fazer as provas da IBA sozinhos, aderem a esse grupo.

 2. OBJETIVO

A SVM Riders Challenge – Iron Butt (SVM-Iron Butt) é uma programação sem fins lucrativos, baseada em uma AÇÃO ENTRE AMIGOS MOTOCICLISTAS, que tem como objetivo estender a possibilidade de participação nessa celebração e compartilhar alguma experiência de estrada importante com outros motociclistas viajantes de moto, que pretendam realizar as provas da IBA.

 3. FINALIDADE

 a. A programação SVM-Iron Butt tem como finalidade possibilitar que essa experiência seja uma oportunidade de realizar as provas da IBA com mais SEGURANÇA do que se o motociclista a realizasse em outras datas e locais, sozinho;

 b. possibilitar ao motociclista o autoconhecimento e desenvolver maior confiança em si mesmo, para alcançar as condições de INDEPENDÊNCIA e AUTONOMIA na estrada, que são características essenciais aos viajantes de moto; e

c. exercitar o planejamento e a execução de uma viagem de moto de longa distância.

 4. PROGRAMAÇÃO

 A programação dessa celebração é realizada por um grupo de trabalho, denominado GT SVM-Iron Butt, que é formado por motociclistas voluntários, pertencentes as comunidades da Sociedade dos Viajantes de Moto e da Mile Eater Fraternity, que costumam realizar viagens de moto de longas distâncias, regularmente.

 

5. PERIODICIDADE

 

Em princípio, essa programação de confraternização é atualizada e realizada, anualmente, no ápice do inverno, no período de lua cheia e no transcurso de sábado para domingo, a fim de que os motociclistas tenham o melhor CONFORTO durante a prova, em função do clima mais ameno.

 6. SEGURANÇA SANITÁRIA

 A fim de prevenir qualquer tipo de contaminação ou intercorrências sanitárias durante a prova, é recomendado ao motociclista atender às seguintes orientações:

 a. Na semana que antecede a prova, praticar ALIMENTAÇÃO LEVE;

 b. Na semana que antecede a prova, DORMIR MUITO BEM;

 c. Nos dias das provas, evitar comer nos postos de abastecimento de combustível, levando consigo a sua própria comida e bebida;

 d. Durante o abastecimento, se retirar o capacete e as luvas, usar máscara e álcool gel, caso haja exigência do poder público ou por decisão própria.

 7. BENEFÍCIOS

 Os motociclistas participantes contarão com os seguintes benefícios, inerentes ao formato da programação das provas:

 a. CICUITO MESTRE – Circuito Rodoviário PREDEFINIDO para ser utilizado por todos os motociclistas participantes, com a finalidade de possibilitar uma experiência mais segura, em um ambiente de confraternização e apoio mútuo.

 b. BRIEFING – Um briefing sobre a realização das provas e procedimentos de segurança será oportunamente realizado pelo GT SVM-Iron Butt, a fim esclarecer as dúvidas, principalmente, dos motociclistas que nunca realizaram as provas da IBA.

 c. COMUNICAÇÃO EMERGENCIAL NA PISTA – Uma Equipe de Apoio a Comunicação na Pista (ACP) constituída por motociclistas voluntários, que estarão em stand by no grupo WhatsApp SVM-Pilotos Iron Butt, durante toda a prova, EXCLUSIVAMENTE com a finalidade de fazer a ponte de comunicação do motociclista com a Concessionária da Via, no caso de pane, em uma área sem cobertura suficiente para realizar uma chamada telefônica, mas que possibilite a transmissão de uma mensagem pelo WhatsApp.

 d. APOIO MÚTUO – A presença de muitos motociclistas no mesmo circuito rodoviário e no mesmo período possibilitará que o apoio do motociclista em pane seja prestado também por outro motociclista em trânsito, mediante o acionamento da concessionária da via, principalmente, durante a sua passagem no pedágio.

 e. CONFRATERNIZAÇÃO – Além de ser comum, nesse formato de programação, a realização da prova por pequenos grupos de amigos motociclistas, encontrar outros participantes nos postos de gasolina, oriundos de outras ou da mesma cidade, sempre será uma oportunidade de reforçar a motivação para concluir a prova com segurança e fazer novas amizades.

 f. CERTIFICAÇÃO SVM – O piloto que tiver a sua documentação de prova homologada pelo GT SVM-Iron Butt receberá o Certificado de Conclusão de Prova da SVM, além da orientação para obter a certificação internacional pela Iron Butt Association – Brazil, http://www.ironbuttbrazil.com.br/.

 g. PIN DA PROVA – O piloto que tiver a sua documentação de prova homologada pelo GT SVM-Iron Butt receberá o PIN da prova (distintivo de metal) com a logo da SVM-Iron Butt para fixação na jaqueta ou colete de motociclista.

 h. PATCH DA PROVA - O piloto que tiver a sua documentação de prova homologada pelo GT SVM-Iron Butt receberá o Patch da Prova (distintivo bordado) com a logo da SVM-Iron Butt para fixação na jaqueta ou colete de motociclista.

 i. PATCH DE PILOTO IRON BUTT / NAVEGADORA - O piloto e a garupa participantes que tiverem a documentação de prova homologada pelo GT SVM-Iron Butt receberão o Patch de Piloto e Navegadora Iron Butt (distintivo bordado) com a logo da SVM-Iron Butt para fixação na jaqueta ou colete de motociclista.

                     CAPÍTULO II - CIRCUITO MESTRE E POSTOS BALIZADORES

 1. CIRCUITO MESTRE

 a. O Circuito Mestre é o contorno de vias, único e predefinido, que abrange os ROTEIROS LOCAIS, onde serão realizadas as provas da IBA, a serem certificadas nessa programação.

 b. Esse circuito rodoviário foi escolhido em função da boa pavimentação asfáltica e infraestrutura logística com postos de gasolina abertos durante as 24 horas do dia, além da riqueza topográfica, que contempla litoral, serras, retas, curvas, aclives e declives, oferecendo a constante mudança de cenário, que quebra a monotonia e afasta o sono.

 c. O Circuito Mestre tem o seu contorno traçado pela sequência de Postos de Abastecimento Balizadores, que estão definidos para o Roteiro Rio de Janeiro, conforme o Capítulo III, abaixo.

 2. POSTOS DE ABASTECIMENTO BALIZADORES (PAB)

 a. Todos os PAB a serem utilizados devem estar contidos no Circuito Mestre; e

 b. Todos os PAB são de comprovação de abastecimento obrigatória, desde que estejam funcionando normalmente.

 2.1. ROTEIRO RIO DE JANEIRO

 a. Os PAB elencados abaixo, serão usados para definirem o ROTEIRO das provas dos motociclistas, que partirem da cidade do RIO DE JANEIRO.

 b. O PAB de PARTIDA das provas SS1600K e BB2500K, onde deve ser realizado o PRIMEIRO ABASTECIMENTO é o Posto BIG DUTRA BELVEDERE, Rod. Pres. Dutra, 1030 - Santa Sofia, SEROPÉDICA - RJ, 23890-000.

 c. O PAB de CHEGADA das provas SS1600K e BB2500K, onde deve ser realizado o ÚLTIMO ABASTECIMENTO é o Posto 4 IRMÃOS, Rod. Pres. Dutra, 63347-63531, Piraí - RJ, 27175-000.

 d. O PAB de CHEGADA PARCIAL da prova SS1600K, para quem estiver fazendo também a prova BB2500K, é o Posto SINUELO, BR 101, 10000 – Km71 – Rainha, ARAGUARI – SC, CEP 98245-000.

 e. O PAB de RETORNO da prova SS1600k é o Posto TIO ZICO VI, BR-376, Km 624,9, s/n Inhaíva, São José dos Pinhais - PR, 83090-360.

 f. O PAB de RETORNO da prova BB2500k é o Posto ROSSO (Ipiranga) GNV, BR-101, Km 392 s/n - São Domingos, Criciúma - SC, 88845-000.

 2.2. PAB DE RODOVIAS PRINCIPAIS

 a. RODOVIA SP 070 – Rede FRANGO ASSADO, Rodovia Governador Carvalho Pinto, km 94 - Parque Interlagos, São José dos Campos - SP, 12229-849.

 b. RODOVIA BR 101 – Auto Posto ANA DIAS BR, Rodovia Padre Manoel da Nobrega, KM 356, S/N, ITARIRI – SP, CEP 11760-000.

 2.3. ROTEIRO LOCAL

 a. A aprovação do Roteiro Local visa facilitar a participação de grupos de motociclistas, que iniciem as provas em outras cidades, além da cidade do Rio de Janeiro.

 b. Cada grupo de motociclistas local, mesmo de outros estados da federação, devem totalizar no mínimo 5 (cinco) integrantes e nomear um Coordenador Local, que será o elo de contato com o GT SVM-Iron Butt.

 c. O Coordenador Local deverá elaborar uma proposta de ROTEIRO LOCAL, a exemplo do item 2.1 do Capítulo II, informando os PAB propostos (Partida, Retorno e Chegada), que devem estar contidos no CIRCUITO MESTRE, conforme a conveniência de seu grupo, a ser aprovada pelo GT SVM-Iron Butt.

 d. Nessa proposta deverá constar o nome da cidade de partida do grupo, que dará nome ao Roteiro Local, os nomes completo dos integrantes, os endereços completos dos PAB de Partida, Retorno e Chegada, para cada prova.

 e. A Proposta deverá ser submetida previamente ao GT SVM-Iron Butt, em até 15 (quinze) dias antes da data de Término de Inscrição, prevista neste Regulamento.

 f. Apenas na hipótese da proposta ser aprovada, os membros desse grupo estarão habilitados a fazer a Inscrição.

 g. A Proposta poderá ser enviada pelo seguinte e-mail: ironbutt2022@gmail.com.

                          CAPÍTULO III – PROVAS DA PROGRAMAÇÃO

 1. Nessa programação, o GT SVM–Iron Butt procederá a certificação dos motociclistas, que tiverem a documentação homologada nas seguintes provas da IBA:

 a. SADDLESORE 1600K (SS1600K) - É a prova de 1.600 KM, a ser realizada em MENOS DE 24 HORAS; e

 b. BUN BURNER 2500K (BB2500K) - É a prova de 2.500 KM, a ser realizada em MENOS DE 36 HORAS.

 2. ROTEIRO RIO DE JANEIRO – EXEMPLO DE NAVEGAÇÃO

 2.1. PROVA SS1600K - ROTEIRO: https://goo.gl/maps/eo7159yPmHe75shN9

 BR 116 (PAB DE PARTIDA DA SS1600K): o Posto BIG DUTRA BELVEDERE, Rod. Pres. Dutra, 1030 - Santa Sofia, SEROPÉDICA - RJ, 23890-000.

 BR 116 / SAÍDA 117: Acesso SP 070 (Rodovia Govenador Carvalho Pinto) / SÃO JOSÉ DOS CAMPOS.

 SP 070 (PAB DE RODOVIA): Rede FRANGO ASSADO, Rodovia Governador Carvalho Pinto, km 94 - Parque Interlagos, São José dos Campos - SP, 12229-849.

 SP 070 / SAÍDA 36: Sentido RODOANEL MARIO COVAS (SP 021).

 SP 021 (RODOANEL) / SAÍDA 72: Acesso Rodovia dos Imigrantes (SP 160) / Pedágio / Placa IMIGRANTES / LITORAL / SANTOS.

 SP 160 / SAÍDA 57-A: Acesso PERUIBE / Rodovia Padre Manuel da Nobrega (BR 101) / PRAIA GRANDE / PERUIBE.

 BR 101 (PAB DE RODOVIA): Auto Posto ANA DIAS, Rodovia Padre Manoel da Nobrega, KM 356, S/N, ITARIRI – SP, CEP 11760-000 (Após PERUIBE – SP / Litoral).

 BR 116 / SAÍDA 102-B: acesso BR 376, sentido JOINVILLE, FLORIANÓPOLI, PORTO ALEGRE.

 BR 376 / SAÍDA 629 – RETORNO BR 376 (TIO ZICO VI).

 BR 376 (PAB DE RETORNO DA SS1600K): Posto TIO ZICO VI, BR-376, Km 624,9, s/n Inhaíva, São José dos Pinhais - PR, 83090-360– O POSTO ESTÁ NA MÃO CONTRÁRIA = PEGAR O RETORNO A +/- 1 KM A FRENTE.

 BR 376 / SAÍDA 614-A: Transição para a BR 116 – NÃO SEGUIR PARA CURITIBA.

 BR 116 / SAÍDA 385 – SP 55 (Rod. Padre Manoel da Nobrega) / PERUIBE, SANTOS (BR 101).

 BR 101 (PAB DA BR 101): Auto Posto ANA DIAS, Rodovia Padre Manoel da Nobrega, KM 356, S/N, ITARIRI – SP, CEP 11760-000.

 BR 101 (SP 160) / SAÍDA 274: Sentido CUBATÃO, Acesso SÃO PAULO / Rodovia dos Imigrantes (SP 160).

 SP 160 / SAÍDA 27: Acesso RODOANEL MARIO COVAS (SP 021) / PLACA RODOANEL / BATISTINI, MANTER SEMPRE A DIREITA – ANCHIETE, DUTRA, AYRTON SENNA, MAUÁ.

 SP 021 (RODOANEL) SAÍDA 123: Acesso AYRTON SENNA (SP 070) + AEROPORTO GUARULHOS + MOGI DAS CRUZES / C. PINTO + LITORAL NORTE

 SP 070 (PAB DA SP 070): Rede FRANGO ASSADO, Rodovia Govenador Carvalho Pinto, KM 94, Parque Interlagos, SÃO JOSÉ DOS CAMPOS – RJ, CEP 12229-849.

 SP 070 / SAÍDA 129: Acesso BR 116, RIO DE JANEIRO.

 BR 116 (PAB DE CHEGADA DA SS1600K): o Posto 4 irmãos, Rod. Pres. Dutra, 63347-63531, Piraí - RJ, 27175-000.

 2.2. PROVA BB2500K - ROTEIRO: https://goo.gl/maps/WEpxVaQtYp9ppw7F6

 BR 116 (PAB DE PARTIDA DA BB2500K): o Posto BELVEDERE, Rod. Pres. Dutra, 1030 - Santa Sofia, SEROPÉDICA - RJ, 23890-000.

 BR 116 / SAÍDA 117: Acesso SP 070 (Rodovia Govenador Carvalho Pinto) / CAMPOS DO JORDÃO.

 SP 070 (PAB DA SP 070): Rede FRANGO ASSADO, Rodovia Governador Carvalho Pinto, km 94 - Parque Interlagos, São José dos Campos - SP, 12229-849.

 SP 070 / SAÍDA 36: Sentido RODOANEL MARIO COVAS (SP 021).

 SP 021 (RODOANEL) / SAÍDA 72: Acesso Rodovia dos Imigrantes (SP 160) / Pedágio / Placa IMIGRANTES / LITORAL / SANTOS.

 SP 160 / SAÍDA 57-A: Acesso Rodovia Padre Manuel da Nobrega (BR 101) / PRAIA GRANDE / PERUIBE.

 BR 101 (PAB DA BR 101): Auto Posto ANA DIAS BR, Rodovia Padre Manoel da Nobrega, KM 356, S/N, ITARIRI – SP, CEP 11760-000 (Após PERUIBE – SP / Litoral).

 BR 116 / SAÍDA 102-B: Acesso a BR 376, sentido JOINVILLE, FLORIANÓPOLI, PORTO ALEGRE.

 BR 101 (POSTO DE ABASTECIMENO SUGERIDO – PANE SECA): Posto 24 h SILUELO SUL, BR-101, 71 - Rainha, Araquari - SC, 89245-000.

 BR 101 / SAÍDA 283: Acesso Imbituba – Norte.

 BR 101 (POSTO DE ABASTECIMENO SUGERIDO – PANE SECA): Posto 24 h SIM – MALHAS FERJU BR, Itamar Cônego-TV, Itamar Luís da Costa – Nova Brasília, Imbituba. CEP 88780-000.

 BR 101 (PAB DE RETORNO DA BB2500K): Posto ROSSO (Ipiranga) GNV, BR-101, Km 392 s/n - São Domingos, Criciúma - SC, 88845-000 – O POSTO ESTÁ NA MÃO CONTRÁRIA = PEGAR O RETORNO A 1 KM A FRENTE / NÃO ENTRA PARA O CENTRO DE CRICIUMA.

 BR 101 / SAÍDA 308: Acesso Laguna (Norte) / Bentos.

 BR 101 (POSTO DE ABASTECIMENO SUGERIDO – PANE SECA): Posto 24 h SIM – PARADOURO CAMARÃO BR, Rodovia BR 101, Laguna – SC, CEP 88790-000.

 BR 376 (PAB DE CHEGADA PARCIAL DA SS1600K): Posto SINUELO, BR 101, 10000 – Km71 – Rainha, ARAGUARI – SC, CEP 98245-000 – APENAS PARA OS PILOTOS QUE ESTIVEREM REALIZANDO AMBOS OS DESLOCAMENTOS, BB2500K E SS1600K

 BR 376 / SAÍDA 614-A: Transição para a BR 116 – NÃO SEGUIR PARA CURITIBA.

 BR 116 / SAÍDA 385 – SP 55 (Rod. Padre Manoel da Nobrega) / PERUIBE, SANTOS (BR 101).

 BR 101 (PAB DA BR 101): Autoposto 24h ANA DIAS BR, Rodovia Padre Manoel da Nobrega, KM 356, S/N, ITARIRI – SP, CEP 11760-000.

 BR 101 (SP 160) / SAÍDA 274: Sentido CUBATÃO, Acesso SÃO PAULO / Rodovia dos Imigrantes (SP 160).

 SP 160 / SAÍDA 27: Acesso RODOANEL MARIO COVAS (SP 021) / PLACA RODOANEL / BATISTINI, MANTER A DIREITA.

 SP 021 (RODOANEL) SAÍDA 123: Acesso Rodovia Ayrton Senna (SP 070), sentido Mogi das Cruzes.

 SP 070 (PAB DA SP 070): Posto 24h BR FRANGO ASSADO, Rodovia Govenador Carvalho Pinto, KM 94, Parque Interlagos, SÃO JOSÉ DOS CAMPOS – RJ, CEP 12229-849.

 SP 070 / SAÍDA 129: Acesso BR 116, RIO DE JANEIRO.

 BR 116 (PAB DE CHEGADA DA BB2500K): o Posto 4 irmãos, Rod. Pres. Dutra, 63347-63531, Piraí - RJ, 27175-000.

 3. Neste tópico do Regulamento, os LINKS dos Roteiros do Google Maps são mostrados apenas como exemplos, devendo cada motociclista planejar o próprio abastecimento, segunda a autonomia de sua motocicleta.

 4. Tendo em vista ser, em princípio, uma EXPERIÊNCIA INDIVIDUAL, a decisão de realizar cada prova e a definição dos detalhes de planejamento, tais como horário de partida, tempo de parada, abastecimentos adicionais, são da RESPONSABILIDADE ESTRITAMENTE PESSOAL de cada motociclista.

                                        CAPÍTULO IV – REGRAS DAS PROVAS

 1. REGRAS IBA                                                    

 As regras para certificação utilizadas na programação SVM RIDERS CHALLENGE – IRON BUTT, em princípio, são as mesmas Regras da Iron Butt Association Brazil (IBA BR), conforme o link http://www.ironbuttbrazil.com.br/p/saddlesore-e-bun-burner-em-quilometros.html.

 2. REGRA DE OURO DA SVM-Iron Butt

 a. Na SVM-Iron Butt, o motociclista NÃO TERÁ A SUA DOCUMENTAÇÃO HOMOLOGADA, apenas no caso do GT SVM-Iron Butt NÃO TER COMO COMPROVAR, por meio da documentação apresentada, que a distância da prova foi percorrida no Circuito Mestre e dentro do limite de tempo previsto.

 b. Alguns integrantes do GT SVM–Iron Butt, oportunamente, constituirão a Comissão Fiscalizadora, que tem como atribuição proceder a Habilitação dos Motociclistas e a Homologação da Documentação Comprobatória das provas realizadas, segundo o que preconiza este Regulamento.

 3. DOCUMENTAÇÃO COMPROBATÓRIA PARA A SVM-Iron Butt

 3.1. Durante as provas, o motociclista deve coletar a DOCUMENTAÇÃO COMPROBATÓRIA, que são:

 a. Notas Fiscais de Postos de Abastecimento de Combustível;

 b. Recibos de Cartão de Crédito e Débito, referentes a pagamento do combustível;

 c. Recibos de Pedágios, referentes à passagem da moto; e

 d. Outros documentos pertinentes ao deslocamento, que possam atestar o período e a localidade de trânsito do motociclista, tais como NF de restaurante, hotéis etc.

 3.2. NOTAS FISCAIS (NF) DE ABASTECIMENTO

 a. É FUNDAMENTAL que antes da digitação das NF DE ABASTECIMENTOS DE COMBUSTÍVEL, seja solicitado ao frentista, que insira no corpo da NF; a PLACA DA MOTO e a QUILOMETRAGEM DO HODÔMETRO TOTAL, a fim de registrar a evolução da quilometragem durante o deslocamento.

 b. As NF de abastecimento e os respectivos comprovantes de pagamento do combustível com cartão de crédito devem ser NUMERADOS, no canto superior direito, pelo motociclista, na sequência cronológica dos abastecimentos de combustível, a fim de facilitar o controle e a posterior conferência.

 c. A NF deve ser LEGÍVEL, contendo o endereço do posto, a cidade, a UF, o telefone e Horário Local (Hora Legal Correta).

 d. Caso haja qualquer IRREGULARIDADE na NF, como informação ilegível ou a hora da NF estiver defasada do horário legal, os recibos do Cartão de Crédito e Débito, referentes a pagamentos de combustível, serão usados para ratificação ou retificação das informações.

                           CAPÍTULO V – CERTIFICAÇÃO DO MOTOCICLISTA

 1. TIPOS DE CERTIFICAÇÃO

 1.1. CERTIFICAÇÃO IBA - BRAZIL

 Para a CERTIFICAÇÃO DA IBA BR, o motociclista deverá atender às regras específicas da IBA BR, preencher os formulários disponibilizados no website http://www.ironbuttbrazil.com.br/p/desafios-e-regras.html e após realizar o deslocamento escolhido, SS1600K ou BB2500K, enviar a documentação comprobatória para a IBA-BR.

 1.2. CERTIFICAÇÃO SVM-Iron Butt

 a. O Processo de HOMOLOGAÇÃO da documentação comprobatória das provas SS1600K e BB2500k pelo GT SVM-Iron Butt, tem como parâmetros essenciais de conferência; a HORA DE ABASTECIMENTO, a LOCALIZAÇÃO DOS PAB, em especial os de PARTIDA, de RETORNO e de CHEGADA, e a QUILOMETRAGEM DO HODÔMETRO TOTAL, além da PLACA da moto registradas nas NOTAS FISCAIS (NF).

 b. Na falta ou no caso de dúvidas ou inconsistência na informação de um determinado NF de Abastecimento, a Comissão Fiscalizadora poderá utilizar outros documentos, como recibo de CARTÃO DE CRÉDITO/DÉBITO e recibo de PEDÁGIO, dentre outros, a fim de fundamentar a HOMOLOGAÇÃO da documentação e a consequente CERTIFICAÇÃO do piloto.

 c. De maneira similar às exigências da IBA, o motociclista pretendente a Certificação emitida pelo GT SVM-Iron Butt deverá se manter CONSULTANDO PERIODICAMENTE O REGULAMENTO da programação SVM-Iron Butt e o CALENDÁRIO SVM-Iron Butt, até o dia que antecede a prova, a fim de que se mantenha informado sobre possíveis ATUALIZAÇÕES ocorridas.

 d. O motociclista que realizar o deslocamento BB2500K, além da Certificação pertinente, poderá pleitear também a Certificação SS1600K, desde que também documente o Abastecimento (NF Detalhada), na conclusão da distância SS1600K balizada, completando os 1.600 km em menos de 24 horas, a contar do Primeiro Abastecimento. Nesse caso, no ato da INSCRIÇÃO ELETRÔNICA o motociclista deverá marcar ambas as provas, SS1600K e BB2500K.

 e. Todas as informações pertinentes ao andamento da programação SVM-Iron Butt serão postadas no Grupo WhatsApp “SVM-Pilotos Iron Butt”, a ser criado oportunamente e alimentado pelo GT SVM-Iron Butt. Esse grupo será integrado por todos os Motociclistas Habilitados.

 2. FASES DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO SVM-Iron Butt

 2.1. FASE 1 – INSCRIÇÃO DO MOTOCICLISTA

 a. A fim de solicitar a Inscrição na Programação SVM-Iron Butt, o motociclista deverá fornecer algumas informações e providenciar previamente a seguinte documentação para sua HABILITAÇÃO:

 a1. CNH - Categoria A do motociclista, válida; e

 a2. CRLV da Motocicleta a ser utilizada, válido.

 b. Como deverá ser anexada eletronicamente, a documentação para HABILITAÇÃO deve ser escaneada e salva em um dos formatos JPG (Imagem) ou PDF (Documentos), com tamanho máximo total de 10 Mb.

 c. Para realizar a Inscrição é necessário possuir uma conta no Google, ou seja, possuir um e-mail Gmail.

 d. No processo de Inscrição consta o TERMO DE ADESÃO, que após lido atentamente, o motociclista formalizará a sua concordância e aceitação ao clicar no botão Check Box do formulário Google Forms.

 e. A pessoa indicada pelo motociclista como Contato de Emergência (Telefone) no Formulário de Inscrição deverá estar de posse das informações referentes ao Seguro da Moto, Plano de Saúde e outros detalhes julgados importantes, a fim de que, na impossibilidade do próprio motociclista, essa pessoa possa coordenar qualquer tipo de apoio que se fizer necessário, quando acionada.

 f. A INSCRIÇÃO será realizada, mediante o preenchimento do Formulário Google, acessível pelo link: https://forms.gle/SJifAgfy57bABnXXA

 2.2. – FASE 2 - HABILITAÇÃO DO PILOTO

 a. A HABILITAÇÃO do piloto será formalizada pela Comissão Fiscalizadora, mediante o recebimento e a VALIDAÇÃO da documentação anexada ao FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO, que será recebida até antes das 12:00 h da data limite, prevista no Calendário de Certificação SVM-Iron Butt, constante do Capítulo VI deste Regulamento.

 b. Caso a documentação seja aprovada, o nome do motociclista constará no ROL DE PILOTOS HABILITADOS a ser atualizado e divulgado continuamente pelo GT SVM-Iron Butt, no Grupo WhatsApp “SVM - Pilotos Iron Butt”, além de publicado em outras mídias sociais de motociclistas.

 c. Os Pilotos Habilitados integrarão o grupo WhatsApp “SVM - Pilotos Iron Butt”, que permanecerá ativo até a conclusão total da SVM-Iron Butt.

 d. Os Pilotos Habilitados deverão acompanhar diariamente o grupo WhatsApp “SVM - Pilotos Iron Butt”, a fim de se atualizarem através de AVISOS e ORIENTAÇÕES pertinentes as provas.

 2.3. FASE 3 – BRIEFING DE PARTIDA

 a. Na semana da data da PARTIDA das provas será realizado o BRIEFING DE PARTIDA para os PILOTOS HABILITADOS, a fim de elucidar as dúvidas remanescentes, enfatizar alguns procedimentos de SEGURANÇA, como a necessidade de ALIMENTAÇÃO FRUGAL e REPOUSO PRÉVIO, além de pontuar alguns PROTOCOLOS DE PILOTAGEM DEFENSIVA para REDUZIR O RISCO na estrada.

 b. Durante o Briefing, serão reforçadas as recomendações de SEGURANÇA inerentes a viagens de moto de longas distâncias, tais como:

 b1. o motociclista deve se resguardar de excessos, a fim de iniciar a prova em boas condições de saúde, física e mental;

 b2. a moto deve estar em boas condições operacionais, conforme previsto no Código de Trânsito Brasileiro (CTB), quanto a PNEUS, SUSPENSÃO, LUZES E FREIOS, além de estar com as REVISÕES PROGRAMADAS em dia;

 b3. durante as provas, o motociclista deve utilizar equipamentos de proteção individual para conforto e segurança, conforme previsto no Código de Trânsito Brasileiro (CTB), tais como, capacete fechado, luvas integrais, botas cano longo, jaqueta com proteção nas extremidades, JOELHEIRAS, agasalho tipo segunda pele, CAPA DE CHUVA etc.

 c. Na oportunidade, será disponibilizado pelo GT SVM-Iron Butt para os motociclistas participantes o ROL DE PILOTOS HABILITADOS, onde constará as informações sobre os demais pilotos, incluindo o TELEFONE DE EMERGÊNCIA, a ser utilizado em caso de necessidade de acionar um familiar ou um conhecido de um motociclista acidentado.

 2.4. FASE 4 – SOLICITAÇÃO DE HOMOLOGAÇÃO

 a. Ao solicitar a Homologação da documentação comprobatória da prova, o motociclista se compromete a contribuir no rateio das despesas correspondente a execução da Programação e aos Benefícios elencados no Item 7 do Capítulo I, no valor de R$ 200,00 (duzentos reais).

 a1. Esse valor corresponde a um único processo de Homologação;

 a2. Se o motociclista solicitar a homologação de dois processos de Homologação, referentes a prova SS1600K e a prova BB2500K, o valor será dobrado; e

 a3. A forma de PAGAMENTO da contribuição para o Rateio de Despesa para Habilitação, será informado oportunamente, aos motociclistas Habilitados, que realizarem as provas.

 b. Para solicitar a HOMOLOGAÇÃO, o motociclista deverá remeter os seguintes documentos, em perfeitas condições de LEGIBILIDADE, ao GT SVM-Iron Butt:

 b1. Cupom Fiscal do pagamento de combustível de emissão mecânica;

 b2. Recibo do cartão de crédito do pagamento de combustível (Hora Certa);

 b3. Comprovantes de pagamento de pedágios;

 b4. Outros documentos que identifiquem posição e tempo, no deslocamento da prova, julgados necessários pelo piloto;

 b5. Formulário de Registro de Viagem (LOG) preenchido e rubricado, a ser disponibilizado oportunamente, no grupo WhatsApp “SVM-Pilotos Iron Butt”;

 b6. Comprovante de pagamento para Certificação da prova SS1600K; e/ou

 b7. Comprovante de pagamento para Certificação da prova BB2500K.

 c. Para realizar a REMESSA da documentação, o motociclista deverá:

 c1. cada tipo de documento deverá ser numerado na ordem sequencial de sua emissão, no canto superior direito;

 c2. escanear cada documento e salvar no computador, como arquivo no formato JPG (Imagem);

 c3. criar uma pasta para esses arquivos (documentos) no computador e dar o nome “SVM – Doc Iron Butt (Nome completo do motociclista)”;

 c4. zipar essa pasta, criando uma nova pasta zipada (compactada.zip) para a remessa; e

 c5. após clicar no Link de Remessa da Documentação, fazer o Upload da pasta zipada.

 c6. A remessa para HOMOLOGAÇÃO da documentação será realizada pela Internet, mediante a utilização do Formulário Google, acessível pelo Link: https://forms.gle/xvsF3qjQEmqNqMbk6

 2.5. FASE 5 – HOMOLOGAÇÃO DA DOCUMENTAÇÃO PELO GT SVM-Iron Butt

 a. Para ter a Documentação comprobatória HOMOLOGADA, o motociclista deverá SOLICITAR A HOMOLOGAÇÃO, mediante a remessa da documentação ao GT SVM-Iron Butt, comprovando a realização da prova, até antes das 12:00 h da data prevista no CALENDÁRIO DE CERTIFICAÇÃO, constante desde Regulamento.

 b. O motociclista será HOMOLOGADO, desde que a DOCUMENTAÇÃO COMPROBATÓRIA apresentada possibilite que o GT SVM-Iron Butt possa concluir que o motociclista REALIZOU O PERCURSO ESPECÍFICO, DENTRO DO LIMITE DE TEMPO PREVISTO.

 c. Regularmente, será publicado pelo GT SVM-Iron Butt o ROL DE PILOTOS HOMOLOGADOS, a fim de que cada motociclista tome conhecimento de sua situação, quanto ao andamento do processo de Certificação.

 2.6. FASE 6 - CERTIFICAÇÃO DO PILOTO PELO GT SVM-Iron Butt

 a. O motociclista receberá os Certificados SS1600k e BB2500K, apenas se a documentação correspondente for homologada pela GT SVM-Iron Butt.

 b. A Certificação da programação SVM-Iron Butt inclui o fornecimento do Certificado de Conclusão da Prova, o Pin (distintivo metálico) e o Patch (distintivo bordado) correspondentes.

 c. A CERIMÔNIA DE CERTIFICAÇÃO SVM–Iron Butt constará de uma confraternização dos PILOTOS HABILITADOS, a ser realizada em data e local a serem oportunamente informados, quando os PILOTOS HOMOLOGADOS receberão o CERTIFICADO DE CONCLUSÃO das provas realizadas.

 3. AÇÃO BENEFICIENTE

 a. O valor de contribuição de cada motociclista para o processo de Homologação da Documentação de cada prova se destina ao rateio de despesas, referentes a execução da programação e aos benefícios citados no item 7 do Capítulo I.

 b. O saldo dessas contribuições, deduzidas as despesas vinculadas ao planejamento, a realização da programação e seus desdobramentos, será destinado a realização de uma ação social, em benefício do Instituto IMADEL com sede em Guapimirim - RJ, cujo endereço eletrônico é:

https://www.facebook.com/ImadelInstitutoMariaDeLourdesAcolhimentoDeCriancas/.

                         CAPÍTULO VI - CALENDÁRIO DE CERTIFICAÇÃO SVM-IRON BUTT

 A fim de que tenham sua documentação Homologada e recebam o Certificado, os motociclistas deverão cumprir o seguinte Calendário de Certificação:

 

DIA

CALENDÁRIO DE CERTIFICAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO SVM-IRON BUTT

25/06

Início das INSCRIÇÕES => A partir das 00:00 h

07/08

Fim das INSCRIÇÕES => Até as 24:00 h

09/08

Divulgação do ROL DE PILOTOS HABILITADOS

23/08

BRIEFING DE PARTIDA => Grupo WhatsApp e LIVE 21:00 h

27/08

ÍNÍCIO DAS PROVAS SS1600K e BB2500K => A partir das 00:00 h

28/08

FIM DOS DESLOCAMENTOS SS1600K e BB2500K => Até as 24:00 h

11/09

Data LIMITE para remessa Documentação Comprobatória => Até as 24:00 h

13/09

Divulgação do ROL DE PILOTOS HOMOLOGADOS

-

CERIMÔNIA DE CERTIFICAÇÃO => a ser agendada

                                      CAPÍTULO VII – EXECUÇÃO DAS PROVAS

1. CERTIFICAÇÃO SVM-IRON BUTT

 1.1. ANTES DA PROVA

 a. É CRUCIAL QUE O MOTOCICLISTA DESCANSE BASTANTE, na semana e no dia anteriores a realização da prova.

 b. É importante que o motociclista participe do BRIEFING DE PARTIDA, a fim de dirimir as possíveis dúvida, inerentes a esse tipo de prova de longa distância.

 c. O motociclista deve verificar se está de posse do ROL DE PILOTOS - para o caso de ACIONAMENTO DE EMERGÊNCIA – a ser postado no Grupo SVM-Pilotos Iron Butt, a fim de poder prestar apoio a um motociclista que necessite.

 d. O motociclista deve verificar se está de posse de sua PLANILHA DE NAVEGAÇÃO, em papel e no telefone celular, para a eventualidade de ocorrer falha do Navegador ou GPS.

 e. O motociclista estar de posse de um ENVELOPE PLÁSTICO ZIP LOCK, onde acumulará toda Nota Fiscal e outros documentos referentes a realização da prova, fim de evitar perda ou extravio.

 f. O motociclista amarrar um LENÇO OU FITA LARGA AMARELA no guidão, lado esquerdo, a fim de ser identificado por outros motociclistas participantes das provas, durante o percurso.

 1.2. INÍCIO DA PROVA

 a. O INÍCIO DAS PROVAS SS1600K e BB2500K ocorrerá após as 00:00 h do dia previsto no Calendário de Certificação.

 b. O início da prova será considerado a hora registrada na Nota Fiscal do PRIMEIRO ABASTECIMENTO para encher o tanque, no PAB DE PARTIDA.

 c. A HORA REGISTRADA PELA MÁQUINA IMPRESSORA NA NOTA FISCAL (NF) DO PRIMEIRO ABASTECIMENTO SERÁ A HORA OFICIAL DE INÍCIO DA PROVA, DESDE QUE NÃO ESTEJA DEFASADA DO HORÁRIO LEGAL.

 d. Na eventualidade do motociclista integrar um TREM DE MOTOS, para agilizar o PRIMEIRO ABASTECIMENTO do grupo, é sugerido que todos os pilotos cheguem ao PAB DE PARTIDA com pelo menos 80% da capacidade do tanque da moto preenchida.

 1.3. DURANTE A PROVA

 a. O motociclista deve coletar todas as NOTAS FISCAIS de abastecimento, principalmente as dos PAB de PARTIDA, de RETORNO e de CHEGADA, preferencialmente, as que tenham local, data e hora impressos, mecanicamente.

 b. O conjunto Piloto-Moto não pode sofrer qualquer tipo de SUBSTITUIÇÃO, durante a prova.

 c. CASO O MOTOCICLISTA SINTA SONO OU QUALQUER MAL-ESTAR, DEVERÁ IR DORMIR OU PROCURAR SOCORRO, IMEDIATAMENTE, JAMAIS EXTRAPOLANDO OS PRÓPRIOS LIMITES.

 d. O MOTOCICLISTA DEVE RESPEITAR A VELOCIDADE DA VIA.

 1.4. FIM DA PROVA

 a. Os períodos limites de tempo para concluir as provas são menos de 24:00 horas para concluir o SS1600K e menos de 36:00 horas para concluir o BB2500K, nas datas previstas no Calendário de Certificação.

 b. O FIM DA PROVA será considerado a hora registrada na Nota Fiscal do ÚLTIMO ABASTECIMENTO, no PAB DE CHEGADA.

 c. A HORA REGISTRADA PELA MÁQUINA IMPRESSORA NA NOTA FISCAL (NF) É A HORA OFICIAL DE FIM DE DESLOCAMENTO, DESDE QUE NÃO ESTEJA DEFASADA DO HORÁRIO LEGAL

                                  CAPÍTULO IX – CONCLUSÃO E CERTIFICAÇÃO

 1. APÓS A PROVA

 a. PREPARE, COPIE E ENVIE A DOCUMENTAÇÃO

 b. Faça CÓPIA dos documentos, como RECIBOS e outros documentos que julgar importante para comprovar o seu deslocamento.

 c. Guarde a DOCUMENTAÇÃO ORIGINAL consigo e somente entregue CÓPIAS.

 2. CERTIFICAÇÃO IBA

 a. O processo de Certificação pela IBA-BR dever atender as orientações que constam do website ironbuttbrazil.com.br.

 b. A fim de reforçar a parceria da IBA-BR nessa programação, oportunamente, solicite que conste no corpo do certificado da IBA, que a sua prova foi realizada durante a programação SVM RIDERS CHALLENGE – IRON BUTT 2022.

 3. CERTIFICAÇÃO SVM-IRON BUTT

 a. Em princípio, o Certificado de realização da prova e os Patches e Pin correspondentes, serão entregues durante uma CERIMÔNIA DE CERTIFICAÇÃO, a ser realizada no Rio de janeiro – RJ, em data e local a serem agendados.

 b. Excepcionalmente, e dependendo da viabilidade, uma Cerimônia de Certificação com uma representação do GT SVM-Iron Butt poderá ser agendada com o Coordenador Local, a fim de que a entrega dos Certificados seja realizada na localidade.

                                          CAPÍTULO X – ORIENTAÇÕES FINAIS

 1. O GT SVM-Iron se compromete a cumprir apenas o que estiver previsto nesse regulamento.

 2. Os casos não previstos neste Regulamento serão submetidos a GT SVM-Iron Butt e solucionados com fulcro neste Regulamento.

 3. Dúvidas e sugestões poderão ser encaminhadas pelo e-mail: ironbutt2022@gmail.com.

  

“Um acidente é a convergência de pequenas falhas desculpáveis – SVM”

 

Rio de Janeiro, 28 de junho de 2022.

Coordenador GT SVM-Iron Butt